Ir para o conteúdo. | Ir para a navegação

Ferramentas Pessoais

Português

Oblatas do Coração de Jesus

Entrada Archives Rubriques Haut Actualidades Abertura da sessão de formação de formadoras

Abertura da sessão de formação de formadoras

Casa Mãe, 14 de abril a 18 de maio de 2016

Queridas Oblatas
É com grande alegria e um profundo sentimento de gratidão para com Deus que eu acolho cada uma de vocês e lhes desejo as boas vindas com muita afeição, neste lugar de fundação, para uma sessão de um mês de formação de formadoras. Vimos de três continentes e representamos os 3 ramos do Instituto; somos de diferentes culturas, nações, línguas e tradições. Para algumas é a primeira vez que vêm neste lugar que é a fonte do Instituto.

Neste Ano Jubilar da Misericórdia, seria bom viver estas semanas com um coração de peregrino e fazer desta experiência um acontecimento jubilar nas suas vidas para o partilhar, em seguida, com aqueles e aquelas que vocês formam! Que o espírito de fé que alimentou a palavra e o testemunho de Luísa Teresa, reavive o coração das nossas formadoras que realizam, com fé e dedicação, a sua peregrinação sobre as estradas do mundo.

Neste tempo de graça que nos é dado viver juntas como formadoras, convido vocês a vivê-lo como uma peregrinação com Moisés, mesmo se, como ele, temos consciência dos nossos limites quanto à missão que nos é confiada. Mas a nossa força e a nossa confiança estão na certeza de que Deus está conosco. Com Moisés: o peregrino, assim como com o seu povo, para caminhar juntos para um novo êxodo.

A estrada arrisca-se a ser longa, dura e sem água! Mas na companhia do Senhor que nos cumula com todos os seus bens, nada é impossível! Sim, é preciso “fazer-se ao largo”, juntas, com os dons de cada uma. Vocês terão ocasião de se conhecer mutuamente e em profundidade. É uma experiência formadora vital, a de fazer-se conhecer e conhecer o outro. Isso as ajudará na sua missão de formadoras, quando tiverem que acompanhar este mesmo processo junto daquelas que estão formando.

Em que condições! Antes de empreender tão longa viagem, é necessário libertar-se de “bagagens” supérfluas que tornam pesada e impedem a nossa peregrinação e a entrada no lugar da Presença Divina.

“Apareceu-lhe o anjo do Senhor numa chama de fogo, do meio de uma sarça. Moisés notou que a sarça estava em chamas, mas não se consumia. Pensou: Vou aproximar-me para admirar esta visão maravilhosa: como é que a sarça não para de queimar?”

“Quero aproximar-me”, quero mergulhar no fogo da Presença Divina para renascer para uma vida nova. Assim, serei capaz de me doar no Amor e por amor; quero expor-me à sua Presença para fazer cair a minha máscara, as resistências do meu egoísmo e libertar-me da escravidão; numa palavra, sair de mim mesma, a fim de que a peregrinação com o meu povo se torne mais “sinal” da ternura e da misericórdia do rosto de Deus e que o meu caminho espiritual se torne Vida na Presença e Vida da sua Presença Divina para todas aquelas que eu acompanho.

“Tira as sandálias dos pés, porque o lugar onde estás é uma terra santa”. (Ex. 3, 5).

Ele me chama pelo meu nome, “neste lugar”, precisamente, que, para mim, pode tornar-se “santo”; neste ‘lugar”, onde posso transformar-me em fogo, tornando-me ‘presença ardente” do Espírito de Deus no mundo. Neste lugar santo, a experiência será verdadeiramente jubilar e vocês serão felizes. É o significado de um dos gestos importantes do peregrino que vem à Casa Mãe, o “passar pela porta santa”. Isso implica a conversão do coração.

“Tira as sandálias”: Abre o teu coração e o teu espírito à luz de Deus que torna possível o discernimento dos sinais dos tempos e que leva à profecia. Esta experiência forte de comunhão nos ensinará como suscitar depois, nas casas de formação e preparar assim a geração seguinte para uma vida comunitária e de grupo mais profunda e, portanto, mais apostólica.

“E agora, vai! Eu te envio ao faraó para que faças sair o meu povo, os israelitas, do Egito” (Ex 3, 10)

Oferecendo-lhes esta experiência, estamos convencidas, não somente da importância da formação hoje para a vida de uma Oblata de amanhã, mas também da importância da qualidade de vida da formadora. Desejo que possam sair desta sessão com um coração mais dilatado, mais apto a comunicar com aquelas que estão formando à universalidade da Igreja e animá-las a trabalhar com coragem fazendo reinar a comunhão no Instituto e no mundo.

Deixo vocês com uma equipa que está feliz de poder caminhar com vocês: Christiane Lefranc e Viviane Tourniaire; obrigada às duas que aceitaram estar conosco para nos ajudar a viver este encontro como um tempo de graça. Digo-lhes o meu reconhecimento pela colaboração dada.

Queria também exprimir o meu reconhecimento às tradutoras: Maria Auxiliadora FERNANDEZ, Hilda Rodriguez (Espanhol; Francês) e Maria Gudz (Polonês/ Francês) por terem aceitado este serviço de tradução com grande disponibilidade e dedicação; isso permite uma maior comunicação entre nós.

A minha gratidão também às irmãs da Casa Mãe, que puseram todo o seu empenho e todos os seus dons para nos acolher e nos fazer sentir em casa!

Com estas palavras queria agradecer-lhes. Queridas formadoras, pelo serviço humilde e discreto, pelo tempo dado à escuta, o tempo consagrado ao acompanhamento e ao cuidado de cada uma das Oblatas. Durante esta sessão, convido vocês a entrar num clima de oração, de abertura e de sensibilidade, de escuta de umas e outras e de ação do Espírito Santo em nós.

Implorando a benção da SSma Trindade, a proteção de Maria e a intercessão de Luísa Teresa e de Mme de Raffin, nossas fundadoras, desejo o todas que este tempo de formação seja criativo, alegra e fecundo.

Terminar com o canto: Voltar à fonte (Patrick Richard)

Voltar à fonte
Mergulhar nela as Mãos e o Coração
Voltar juntas à fonte
Donde brota a verdadeira felicidade.

Fonte primeira
Frescura de onda
Fonte de água límpida
Fonte fecunda.

Fonte essencial
Inesgotável
Fonte onde o céu
Põe uma mesa

Fonte de onde vêm
Mil pombas
Fonte que leva
Ao coração do mundo

Fonte de graça
Poço de confiança
Fonte de audácia
A Providência.


Júlia Sousa